HISTÓRIA DA OUTRÉM

Fundada em 1987, nas antigas instalações da Casa da Cultura e Juventude de Castelo Branco, pela mão de alguns escuteiros e professores, a Associação Cultural Outrem tem se distinguido pelas diversas actividades realizadas no âmbito da defesa do meio ambiente e do património. De início foram feitas algumas explorações nos arredores de Castelo Branco, essencialmente no percurso do Rio Ocreza, e recolhas etnográficas em diversas povoações do distrito.

Ainda como grupo de trabalho, esta associação, então com o nome de associação cultural Lusitânia, transformou algumas recolhas de literatura popular em peças de teatro para fantoches. Peças dramatizadas em diversos pontos do Distrito, sendo também publicados vários boletins culturais.

São, então, realizados vários campos de trabalho em diversas localidades da Beira, casos de Louriçal do Campo, Póvoa de Rio de Moinhos, Penha Garcia e Alpedrinha.

No âmbito do Projecto Pólen, desde 1992 até ao presente foram feitos diversos percursos de observação ambiental, colocação de ninhos e comedouros, colóquios e Jornadas de Ambiente e Património. Além disso, promoveram-se concursos de rádios de banda do cidadão, acções de educação ambiental em diversas escolas e recolha de pilhas. Foram também realizadas diversas iniciativas de formação em desportos aventura. Tendo por base os estudos efectuados, publicaram-se vários trabalhos de índole etnográfico e ambiental.

A Outrem tem vindo a fazer diversas rotas temáticas a aspectos da flora, património e geologia no Vale do Rio Ocreza. No decurso das rotas e percursos passaram por estes locais, em média, 500 pessoas por ano.

No âmbito dos últimos projectos estão a ser marcados percursos pedestres.

Mais recentemente, está a ser implementado um Ponto de Interpretação da Natureza que vai servir de apoio nos percursos pedestres.